Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos

Inovador, teste rápido de Febre Amarela da Bahiafarma passa a estar disponível pelo SUS

27 de fevereiro de 2018
FA22

Único no mundo em seu formato a ter obtido registro, dispositivo de diagnóstico auxilia no controle do avanço da doença

A Bahiafarma vai passar a fornecer testes rápidos de diagnóstico de Febre Amarela para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com o acordo com o Ministério da Saúde, o laboratório público baiano passa a ser o responsável por todos os dispositivos de diagnóstico rápido das principais arboviroses em circulação no território nacional – a Bahiafarma já era a fornecedora exclusiva do SUS de testes rápidos para Zika, Dengue e Febre Chikungunya.

Único no mundo em seu formato a ter obtido registro para produção e comercialização, o dispositivo de diagnóstico rápido de Febre Amarela desenvolvido pela Bahiafarma em parceria com o laboratório sul-coreano GenBody, chamado YFV IgG / IgM, permite, em até 20 minutos, a detecção com alta precisão tanto de anticorpos de infecções ativas no organismo do paciente quanto de anticorpos de infecções anteriores – ou resultantes de aplicação de vacina contra a doença.

Com isso, além do diagnóstico rápido, que ajuda no tratamento precoce dos pacientes e no mapeamento de casos em tempo real, contribuindo para o controle do avanço da doença, o teste rápido também é útil para detectar quem já está imunizado contra o vírus, reduzindo a necessidade de aplicação de vacinas.

“O teste rápido de Febre Amarela é uma das principais ferramentas para controle do avanço da doença, por permitir o monitoramento em tempo real dos casos, por acelerar o tratamento dos infectados, reduzindo as complicações – e os custos – e por facilitar a descoberta de pessoas que já tenham anticorpos para a doença”, ressalta o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias. “Os dispositivos de diagnóstico rápido, que já têm se mostrado bastante eficientes no rastreamento de casos de Dengue, Zika e Febre Chikungunya, podem ser ainda mais relevantes no controle da Febre Amarela no Brasil.”

Voltar